O Projeto



O Projeto Plantas Carnívoras foi implementado pela primeira vez no segundo semestre de 1995 e desde então diversas escolas públicas e particulares de diferentes cidades e estados do Brasil têm participado. É um projeto semestral, com duração de aproximadamente dois meses e meio.

 

Objetivos
-
introduzir aos alunos os conceitos de crescimento e desenvolvimento vegetal utilizando mudas de plantas carnívoras;
 
 
-
observar diferenças na morfologia destas plantas em comparação com as outras mais conhecidas (tipos de folhas, flores e raízes etc.);
 
 
-
discutir e caracterizar: nutrição, respiração, fotossíntese e alimentação;
 
-
observar a secreção de substâncias e enzimas no reino vegetal;
 
 -
estudar e pesquisar as adaptações das plantas carnívoras ao ambiente;
 
 -
pesquisar sobre a evolução das plantas carnívoras;
 
 
 -
capacitar o aluno distinguir a diferença entre alimentação autotrófica e heterotrófica;
 
 
 -
classificar as plantas carnívoras quanto a estas definições;
 
 
 -
investigar um pouco da história da ciência discutindo os experimentos de Darwin, em 1860 com as plantas carnívoras e,
 
 
 -
utilizar a rede INTERNET como ferramenta essencial para a busca de informações e troca de dados entre os diferentes participantes do projeto

Propostas de Métodos para alcançar os objetivos propostos

Aprender ciências não significa apenas compreender um conjunto de conteúdos específicos. A ciência utiliza uma maneira de pensar e explicar o mundo natural que é diferente, em muitos pontos, do pensamento de senso comum.

Os alunos estão acostumados a utilizar o senso comum para compreender o mundo ao seu redor. E de fato o senso comum é uma ferramenta apropriada para lidar com muitas das situações com que nos deparamos no dia a dia.

No entanto, quando se voltam para o aprendizado de ciências, é importante que os alunos compreendam a maneira de investigar e compreender o mundo que é peculiar à atividade científica.

Não se trata, contudo, de simplesmente apresentar para o aluno as estratégias empregadas pelos cientistas em suas investigações da natureza. É preferível propor-lhes uma situação problemática e, por meio de diálogo, assumir a condição de mediador de um debate em que os alunos expõem suas próprias opiniões e, eventualmente, alcançam um consenso quanto à solução da situação proposta.

O professor, é claro, deve propor novas situações problemáticas, sempre que considerar que o consenso alcançado requer questionamento.

Atividades que podem ser desenvolvidas nas escolas
   
1.
Apresentar o projeto com uma introdução do que se conhece sobre as plantas carnívoras;
 
 
2.
Levar os alunos a formular questões ou apresentar alguns problemas não resolvidos dentro dos conhecimentos existentes;
 
3.
Estimular os alunos a formular hipóteses e planejar experimentos para testá-las
 
4.
Preparar e conduzir os experimentos propostos pelo professor/alunos para validá-las
 
5.
Discutir os resultados baseando-se em experimentos semelhantes e pesquisar os diferentes resultados



Bibliografia

ASSIS, C. Plantas Carnívoras . in: Rev. Natureza. n. 3: 12-23. Ed. Europa: São Paulo.. 1995.

BECCARI, A.; FIORI, A.M. Belas, Sedutoras, Fatais. Rev. Globo Ciência, n.19: 54-61. Ed. Globo: São Paulo, 1993.

CAPELAS JR, A. Atração Fatal. Ed. Azul, Rev. Terra, n. 4:32-37. 1992.

CARNEIRO, H. Estas Plantas Devoram Bichos. Bloch Eds. Rev. Geográfica Universal, n. 25 : 24-39. 1976.

COUTINHO, L.M. Botânica. 10ª ed. São Paulo. 307 p. 1984.

DARWIN, C.R. Insetivorous Plants. John Murray, London. 1875.

JUNIPER, B. E. ; ROBINS, R.J.; JOEL, D. M. The Carnivorous Plants. Academic Press Limited. 1989.

LLOYD, F.E. The carnivorous Plants. Chronica Botanica Company. USA. 352 p. 1942.

MELLO, S.J. A Mais Maravilhosa Planta do Mundo e outras Carnívoras. Ed.Europa, Rev.Sítios e Jardins, n. 2: 4-13. 1989.

MORAES, C. Sedução Fatal. Ícaro Ed. Rev. Ícaro, n. 98: 36-44.

PELLEGRINI, D. Dessa aula a turma não vai escapar. Ed. Abril, Revista Nova Escola. n. 108: 34-37. 1997.

PILIACKAS, J.M. ; BARBOSA, L.M.; BARBOSA, L.M.; MACEDO, M.C. Estudos sobre germinação de Drosera villosa St. Hil. In: 5* Congresso Brasileiro de Sementes. Gramado - RS. Resumo, p.15. 1987.

PILIACKAS, J.M.; BARBOSA, L.M.; SEMACO, M.; BARBOSA, J.M. Formação de Coleção Viva de Plantas Carnívoras - Indicação de Técnicas de Cultivo. In: Congresso Nacional de Botânica. Belém - PA. Resumo, p. 338. 1988.

PILIACKAS, J.M. e BARBOSA, L.M. Aspectos Biológicos e Ecológicos de Plantas Carnívoras. Ecossistema. Espirito Santo do Pinhal - SP. 14: 89-103. 1989.

PILIACKAS, J. M., PILIACKAS, V. D. D., BARBOSA, L.M., ASPERTI, L.M.,ZEIGLEIR, T. I. A ação Antrópica em Plantas carnívoras. Ecossistema. Espirito Santo do Pinhal SP.18: 20-26. 1993.

TINOCO, R.M. Caçadoras em perigo. Ed. Abril, Rev. Super Interessante, n.22: 75-79.